Início > Uncategorized > A Internet está piorando a experiência de vida das pessoas

A Internet está piorando a experiência de vida das pessoas

Título estranho? Mas com motivo.

A Internet tem crescido a um ritmo alucinante nos últimos anos, e considero que sob certos aspectos, está sendo prejudicial, trazendo mais prejuízos do que benefícios, especialmente para as novas gerações.

Para começar, o excesso de informação sobre qualquer coisa e sobre tudo ao mesmo tempo. Basta abrir uma página de portal de notícias como o  UOL e estamos ali, em frente a quase 200 notícias diferentes. E o cérebro do ser humano, especialmente do gênero masculino, que por milênios precisou focar a atenção, concentração e visão apenas em um objeto, a caça, senão sua prole morreria de fome por ser um mal caçador, agora se depara com 200 opções para sua imediata atenção. Como se isto não fosse o bastante, a página é atualizada com popups de propagandas, tirinhas com as últimas notícias, e fotos de mulheres semi-nuas em cores vivas inseridas estrategicamente em locais onde a atenção visual focal é maior.

A maravilha da Internet no início, alardeando a possibilidade de acesso a todo tipo de informação a qualquer momento, criou uma geração de zumbis (deve ser por isto que os internautas gostam tanto de citações a  zumbis e bacon), que navega na Internet sem direção ou sentido, por horas seguidas, sem noção da quantidade de tempo envolvida na operação/ação. Se você leu até aqui, certamente irá ler até o final.

Este é outro problema. Com o advento do Twitter e o mural do Facebook, qualquer informação com mais de 2 parágrafos é rapidamente ignorada pelo usuário. Ao ignorar um texto longo, ele ajusta seu cérebro para aceitar apenas notificações curtas e rápidas, causando uma série de problemas posteriores. Para começar, quem escreve sabe disto, é quase impossível expressar uma ideia em dois parágrafos. Início, meio e fim? Faltará uma das partes, que muitos internautas substituem rapidamente por um HAHAHA frenético, ou kkkkkkk, ou um ilegível poaskpoaskop

Uma forma de contornar o problema da leitura, foi a criação dos MEMEs, padronizando todas as experiências de vida em alguns quadrinhos. Legal, divertido, interessante? Só que esta padronização está acabando com a criatividade das pessoas, além de privá-las de algo importante: a experiência de vida. Quando uma criança vê na Internet um meme do tipo Forever Alone, onde ele está só e todos tem os seus pares, não existe uma assimilação entre o fato e o sentimento. No mundo real, quando isto acontecia (sem a influência de um meme [idiota]), o tal ‘isolado’, desenvolvia algumas soluções para o problema, como uma mudança de atitude, uma abordagem diferente com as meninas da festa/grupo, ou seja, o cérebro era colocado para funcionar. E o que acontece hoje, pós-meme forever alone? A pessoa está na situação, lembra da tirinha forever alone, liga o celular e fica jogando qualquer coisa para passar o tempo. As pessoas estão se acomodando, não estão reagindo, não estão pensando.

E de que adianta um mundo de informações, se as pessoas não estão mais pensando?

É notório que todos estão considerando somente um fato de cada vez, ignorando as relações envolvidas, simplificando o excesso de informações, porque seu cérebro está sendo treinado pela Internet para fazer isto, uma coisa de cada vez.  Um exemplo bem claro desta falta de conexão entre tudo eu percebi ontem, em uma notícia no jornal regional sobre a redução do limite de velocidade em muitas ruas principais do centro da cidade em nome da segurança. E quais são as relações envolvidas? A simples redução da velocidade, acompanhada da instalação de radares, não tem como objetivo melhorar a segurança, mas aumentar a quantidade de multas. Simples? E o complexo? Aumento da frota, aumento da arrecadação de IPVA, péssima qualidade das vias, semáforos fora de sincronismo, cruzamentos mal iluminados, obras iniciadas e nunca finalizadas, consertos do sistema de água e esgoto após o asfaltamento (produzindo buracos e remendos sem qualidade), políticos que se preocupam apenas com o transporte individual, aumento da poluição (o consumo de combustível em um carro é uma parábola voltada para cima), lucro dos bancos com o aumento da oferta de crédito, etc. E quais seriam os motivos reais para os acidentes, que deveriam ser efetivamente combatidos, e não reduzindo a velocidade nos locais? Motoristas destreinados, outros embriagados, outros usando celulares e smartphones para consultar o ‘face’, falta de atenção na direção, não conseguir ler uma faixa de trânsito que contém mais do que 4 palavras (efeito do excesso de informação comentado anteriormente).

E o que esta geração de zumbis fascinados por bacon vai deixar para a próxima? Nada. Como em um lapso de memória, ao verificar o que aconteceu com as suas vidas, perceberão que perderam tempo, perderam dinheiro, perderam vida. Dinheiro é recuperável, mas tempo e vida, não. E acabarão tristes e melancólicos se recordando de alguns memes que eles compartilharam avidamente no Facebook.

Categorias:Uncategorized
  1. mpamael
    6 de janeiro de 2012 às 15:02

    Muito bom, gostei do artigo, retrata realmente o que acontece. As pessoas gostam de coisas fáceis, sem muita complexidade. Talvez seja isso que nossa elite politica quer, que a massa discuta qual a cor de carro comprar, o qual o celular da moda… Assim essas pessoas nao tem tempo pra protestar contra coisas mais importantes como Educação, Saúde, Politica Econômica…etc

  2. Wendel Borges
    11 de janeiro de 2012 às 23:17

    Boa noite, sou profissional de TI e concordo plenamente com seu texto. Sou um estudioso do comportamento das pessoas face a tecnologia e a mudança social que isso implica. O distanciamento e a alienação são muito evidentes. Vemos muito uma nostalgia aos anos 80, e como sou desta época sei bem o que isto significa – Está havendo uma ruptura na forma como conhecemos os seres humanos, levando-os como você citou muito bem a virarem verdadeiros Zumbis. Ninguém parece perceber a quebra dos valores familiares e da importância do convívio humano. E este tal Forever Alone é o que futuramente poderemos ter como o estereótipo humano padrão, um alguém preso na segurança do seu mundo virtual. Mas e quando a conexão cair?. Obrigado pelo texto, parabéns!

  3. 27 de janeiro de 2012 às 19:04

    Parabéns pela reflexão, Nishimura!
    De Porto de Galinhas e de Recife,
    Humberto Cavalcanti

  4. 28 de janeiro de 2012 às 10:03

    O processo de alienação em massa, enfim, chegou ao seu pleno funcionamento. Vejo pessoas que moram em locais belíssimos aqui em João Pessoa-PB, chácaras, granjas, deixar de desfrutas estes espaços para ficarem alienados vendo porcaria na frente do computador. Que é uma ferramenta maravilhosa, se bem orientada e focada. Não há exceção.

  5. 31 de janeiro de 2012 às 00:03

    Defendendo o diabo ainda gostaria de elogiar o texto, a iniciativa e o assunto. É perceptível que influências da Internet tem sua repercussão nas pessoas, mas vejo também o outro sentido em que a Internet é produto das pessoas. Quero dizer com isso que coisas inúteis, bobas ou nocivas sempre existiram. As idiotices que são feitas agora também eram feitas antes e seriam feitas de outra forma (tão idiota quanto) se não fosse com a Internet. Entendo que o que nos impressiona é a velocidade e o volume como idiotices podem agora ser ser criadas e imitadas, assim como também ocorre com as coisas geniais. É o que chamam de ‘tempos exponenciais’. Tudo é exponencial, mas continua sendo do mesmo jeito. As massas continuarão a existir, os proletários e as elites. Só fica a dica (é um meme isso ?) que a elite não será formada, como nunca foi, por consumidores passivos de assuntos inúteis e gratuitos e conclusões simplistas, tendenciosas e insustentáveis.
    Compartilho com todos a iminente decepção que teremos. A novíssima sociedade da comunicação, da informação e do conhecimento será como as outras: Terá uma elite e uma massa. Os que domirão a tecnologia e os recursos e os que serão dominados, por ela ou junto com ela…

  6. Ana Dias
    23 de junho de 2012 às 09:58

    Este blog ainda está activo? Sou de Portugal, tenho o nome completo de uma pessoa que quero encontrar, sabe ajudar?
    Muito Obrigada🙂

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: